segunda-feira, 28 de novembro de 2016

21km em Caldas Novas - Raça, coração e alegria!


Oiiii!!! Como estão todos vocês? Coração tranquilo? Rodando muitos km por aí??

Mais uma corrida gostosa!!! Como venho fazendo, uso aqui o espaço para conversar um pouco sobre o que aconteceu comigo neste último final de semana.

Goiânia – Caldas Novas, 26/11/2016 – Sábado 


Despertei de um sono curto ás 05 da manhã. O corpo já vem me avisando há algum tempo do cansaço físico. Tenho dormido sempre tarde, essa semana muito por conta das atualizações deste blog onde cada post sempre leva um tempo considerável para ser construído. Mas o resultado final sempre espero que esteja ótimo.
Levantei, logo me arrumei e já estou em direção ao Jardins Mônaco para mais um dia de aula. Naturalmente a viagem de Caldas Novas já estava em meus pensamentos. Dividia meu pensamento entre o plano de aula que iria ser executado em instantes, com detalhes da viagem.
Chego no Jardins ás 06h da manhã e logo ocupo meus pensamentos com detalhes do plano de aula que tracei. Não tive dificuldades. Na verdade estranhei minha pouca ansiedade. Normalmente, costumo ficar agitado, sempre elétrico. Será cansaço? Chego em casa ás 09h, arrumo minhas coisas e parto com minha família e meus pais. Dessa vez fui acompanhado de todos  diferente do que foi em Brasília há duas semanas. A diferença é que nessa eu tive meus paitrocinadores. Brincadeira, rsrsrs! Na verdade, ir em Caldas Novas sem as crianças não dá né?
Uma viagem tranquila. Sempre que vou em Caldas Novas, nunca abro mão de algumas paixões que tenho. Uma é comer o pão de queijo com lingüiça do Pedra Branca, aquele depois de Hidrolândia, outra é saborear um ótimo quibe no Kibarlana em Piracanjuba. Na ida sempre escolho um. Foi então o Pão de Queijo com linguiça!  

Já chegando em Caldas Novas, fazendo minhas orações em silêncio, avisto logo de cara a estrutura que estava sendo erguida para a corrida de amanhã. Havia muita gente naquele espaço provavelmente buscando o kit e se ambientando ali.

Preferi ir para o Hotel, me acomodar, almoçar primeiro e depois com a calma necessária ir buscar esse kit. Chegando no local de retirada do kit ainda muito movimentado começo meus registros fotográficos começando a me ambientar naquele ambiente. Caldas Novas estava, naquele momento, com um sol considerável mas nada exagerado. Debaixo da tenda aguardando a entrega dos kits, começo a suar, derretendo totalmente. Sentindo um calor danado. Agora sim minha agonia estava voltando. Estava meio enrolado ali, fila não andava direito. Depois de pegar o kit e conferir se estava tudo certo, volto para o Hotel afim de curtir águas quentes e brincar um pouco com as crianças. Criança não para...rsrs. Na medida do possível, tentei me divertir com eles e aproveitar essa tarde.



Por volta das 17h, completamente relaxado e tranquilo nas piscinas, me lembro que havia combinado com o Glaucio para irmos ver o percurso. Rapidamente tomei um banho e ele gentilmente me buscou na porta do Hotel. Glaucio é um corredor, morador de Caldas Novas e nos conhecemos via Blog/Facebook. Coisas boas das corridas é  conhecer tanta gente diferente. A ele, meus agradecimentos pela atenção para comigo.
Fizemos todos os 21k de carro e enquanto ele me falava cada caminho minha cabeça está girando, pensando em cada detalhe. Muitos locais que passei com ele, me recordava bem. Mas pude ter uma noção exata, real do que iria enfrentar somente depois que fizemos esse percurso. O medo tomou algumas formas. Eu vi ali um percurso extremamente desafiador, pesado. Mas medo, a gente bate de frente. Procurei relaxar. Na postagem que fiz no Blog, previa essas dificuldades, mas era necessário que eu visse o percurso de perto, afim de tirar todas minhas dúvidas.
Agradecendo pelo tour que fizemos, voltei ao Hotel, peguei as crianças e fui levar eles para brincar no Parque da Cidade. Minha cabeça naquele momento já estava nas subidas que iria enfrentar. Logo mais tarde encontramos meus pais e devorei um prato de macarrão delicioso na Pizzaria do DiRoma. Ainda tive de ir buscar um Pastel de chocolate para minha filha, que estava me cobrando sem parar essa “iguaria”. Depois de ver o rosto dela lambuzado, nos recolhemos cedo. Pouco antes das 22h, cai num sono profundo.

Caldas Novas – 27 de Novembro de 2016 – Domingo

Subida! O primeiro pensamento do dia, por incrível que pareça. Levantei da cama e aquela famosa dor de panturrilha que acha que me assusta, resolveu dar um oi. Logo, viro meu pensamento e arranco qualquer pensamento negativo.
Animadamente, me preparo, me sentindo o Power Ranger vestindo armadura. Tomo o café da manhã tranquilamente e sigo a pé para o local da corrida. Estava hospedado bem perto do local. Chego no local e toda aquela atmosfera de corrida, pessoas, movimento, coisas que adoro.



Começo a corrida com aquela mesma sensação de sempre. Adrenalina, corpo pedindo mais e mais. Sabendo das dificuldades (ou não), começo a prova em ritmo tranquilo. Os primeiros 5k, nada diferente. Visuais diferentes pessoas passando, mas nada de diferente do que estou habituado. Salvo minha prudência, fiz tranquilamente. Já me surpreendo com a beleza do lugar, organização e ótima fluidez de corrida. Passamos por Avenidas pouco movimentadas, mas logo depois começamos a ir em locais que boa maioria dos turistas podem conhecer. O medo começava a tomar forma pois toda a calmaria desses primeiros km se mostrariam mais tarde uma parte dolorosa.
Na altura do km7 passando ali na avenida ao lado da Pousada do Ipê a prova começa a mostrar a que veio. Fizemos cerca de 2km em subida, embora não muito inclinada, mas persistente. Naquele momento comecei a ter cautela e tirei um pouco o pé. Sabia que qualquer exagero me custaria a prova. Eu já estava ciente que não poderia pensar em uma prova sub2h.
Passamos pela Avenida E, a que tem um estilo similar da Ricardo Paranhos. Mas me sentia bem, tranquilo. Não tive absolutamente nada. Na altura do km9, quando começamos trecho favorável, olho para o relógio e me dou conta que o ritmo desenvolvido até aqui está próximo do que foi em Brasília. Com uma diferença de 2min para mais. Nas avenidas seguintes, passando por  alguns bairros, foram bem tranquilos. Me permiti imaginar chegar perto de 2h. Na altura do km 11, 12, já passando pela Câmara de Vereadores de Caldas Novas e pegando a subida de volta na Pousada do Ipê começo a sentir um pouco, mas dentro do esperado. Quando finalmente chego na temida parte final dos últimos 6k e avisto a subida tenebrosa da Av. Elias Bufaiçal em instantes, procurei manter a calma, concentrando na técnica. Subi sentindo as pernas. O esforço ali era evidente. Estava passando naquele momento, pelo trecho de maior inclinação, altura do km 15 e se permaneceu assim por cerca de 1.2km. Diminui consideravelmente meu ritmo, mas o tempo todo numa onde de trote. Dali em diante, pequenas descidas, e subidas longas. Subida, Subida. Num esforço brutal que não cedia. Minhas pernas começaram a doer. Me lembro daquela sensação somente na primeira vez que disputei a São Silvestre em 2014. Pernas endurecendo, indicando uma cãibra logo logo. Na Avenida Orcalino, na altura do km 17 quando comecei a pegar ela em descida olho para a minha esquerda e vejo o pessoal no fim dela no lado oposto e tenho a certeza de que se está complicado para mim, imagina para os caras que acabaram de enfrentar mais uma subida. Já aproximando do retorno nessa avenida, sinto minha perna endurecer. “Fudeu”, pensei. Mas segui tranquilo. Permiti-me andar em ritmo moderado por cerca de 200, 300 metros e retomar minha corrida tranquilamente. Naquele momento, a dor chegava no ápice. Na reta final de prova, o fôlego estava relativamente normal para uma prova dessa distância, mas as pernas duras e numa onda de cãibras. Quando peguei a reta final de prova e olhei a subida com a dor em força alucinante, andei mais um pouco, esperando o trecho ficar plano para conseguir trotar de novo um pouco. O pensamento na minha cabeça nesse momento era: "São Silvestre é aperitivo perto dessa aqui"

A vista de mais uma subida ainda no trecho da rodovia parecia interminável, comigo capengando, sentindo bastante. Minha mãe tirou uma foto minha nesse momento:
Corpo pesado, turbilhão de emoções, cansaço evidente e eu seguindo em frente... Desistir nunca foi uma opção!

Já nos metros finais de prova, avisto meus pais do lado ali e ganho um pouco mais de força para concluir. Estava entorpecido pelo cansaço, pelo desgaste. Eis que chegando perto... gravo esses vídeos. Perdoem minha cara de doente nessa hora... mas eu estava destruído...


Chego no túnel em fim de prova, abaixando a cabeça e orando, agradecendo a Deus. Desistir jamais foi meu lema. Se eu comecei, eu vou terminar.  Mais uma vez, depois que peguei a medalha e disse para meus pais que voltaria andando para não “travar” a musculatura, o pensamento se entrega a uma emoção interna, profundamente comovido com tudo aquilo. O tempo naquele dia permaneceu nublado, mas com uma onda de calor moderada, uma espécie de “mormasso”. Estava quente... Permito – me em silêncio emocionar comovido com a beleza de ter concluído mais um desafio. Eu jamais me entrego á dor. Eu corri os últimos 4km na base da raça e puro coração. Corri com o coração. Com a alma de um corredor insano, entregue a própria felicidade.
Caldas Novas entra na minha lista, como a corrida mais dura que fiz em toda a minha vida. Foram 21km inesquecíveis! Ano que vem, voltarei! Tenho absoluta convicção que se me faltarem pernas, meu coração me leva onde eu quero! Meu lema, minha direção: SEMPRE!



Meu pai, me dando apoio e força moral!


Chegada triunfal! 21km na conta!!


Corpo entregue ao cansaço, a dor.

Absolutamente nada me tira o sorriso de ter completado mais uma prova!!! Cara feia pra caralho, mas feliz demais!!!


Voltei para Goiânia leve, tranquilo e parando para saborear um quibe no Kibarlana, com o corpo quase anestesiado e o coração em paz. O que prometo a mim, eu cumpro.

Muito Obrigado a todos, um grande abraço!!

Professor Ricardo Carneiro

ricardo.aesp@gmail.com

SEMPRE!

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Dicas e Percursos da corrida do TRT :) :)


Opa!!!! Tudo bem com vocês??? Km na conta? Todo mundo sempre bem, animado?? Vem aí essa corrida do TRT, que sempre foi muito elogiada e pelo que vi no site do evento, inscrições ESGOTADAS! Muito difícil ver corridas em Goiânia que realmente esgotam, lotação máxima. Evento que conta com a chancela da excelente Hanker e idealizada pelo TRT Goiás, promete ser um evento magnífico, com a beleza e requinte que os corredores dessa cidade merecem.

Escrever sobre as corridas esse ano se tornou um exercício maravilhoso para mim e me deixa ainda mais contente se estiver a gosto de cada leitor desse blog. Faço com carinho, com a proposta de mostrar os percursos e dar dicas que espero que auxiliem e ajudem cada um de vocês. Sintam-se a vontade para criticar, elogiar ou dar sugestões para a melhora constante desses posts.

Vamos lá então... a corrida acontece nesse Domingo, 27 de Novembro, com largada prevista para as 7h30. Nesse dia, a previsão do tempo aponta para o seguinte ( dados coletados em 23/11, através do CPTEC/INPE):


Forte previsão de chuva. Goiânia tem amanhecido constantemente nublada nesses últimos dias. Se isso permanecer, a corrida conta um ponto a favor dos atletas, pois correr em tempo mais fresco, frio é bem mais agradável. Cuidado somente no aquecimento, que deve ser bem mais caprichado. Aqui vale a ideia de um trote mais longo, exercícios dinâmicos afim de preparar melhor o corpo, como os deslocamentos laterais, por exemplo. Caso chova, a recomendação é ir com calma. Em chuva, com tênis encharcado, a pisada fica diferente, o corpo parece ficar mais "duro", e não a toa, muitas lesões aparecem. Correr na chuva é uma delícia, mas exige cuidado e atenção.

Essa corrida conta com dois percursos, bem desenhados, com muitas retas, facilitando o entendimento. Vamos então observar o percurso de 5km:


Km 00-01// Rua T-51// Av. T9: A largada acontece em frente ao TRT, na rua T-51 esq. com rua T-1 em frente a sede do TRT.  Nessa largada, vamos com calma, pois como será uma corrida muito cheia nada de afobação naquele bolo de gente, esperemos chegar na T-9 para de fato entrar na corrida. Sempre costumo dizer para usar o 1km para sentir o corpo, começar a entender a corrida e começar a pensar nos 4k seguintes. Com exceção de atletas mais gabaritados, a ideia aqui é fazer uma extensão do aquecimento que já fizeram antes da largada. Nesse começo de corrida, um aclive de cara, mas nada exagerado, logo que entramos na T9, descidinha e plano.


 


Km 01-02 //Av. T9: Uma coisa boa desse percurso é passar sempre em reta, pois como é uma Avenida de grande circulação em Goiânia, muitos corredores conhecem e tem noção dos pontos de subida, descida, plano. Nesse momento, podemos de fato entrar no ritmo desejado de prova e se manter. O trecho é propício, pois permanece plano.

 


Km 02-03 //Av. T9//Av. C - 208//Av. C- 205: Saimos então da T9 e pegamos uma nova avenida. Nesse trecho podemos nos permitir o primeiro grande ganho de ritmo da prova, mas com cuidado. Aqui permanece uma sensação de descida, plano, um aclive leve e favorece bastante o corredor. Mas cuidado com essas armadilhas que se apresentam. Ainda temos mais 2km de prova.
 


Km 03-04 //Av. C - 205//Av. C - 4//Av. T-7: Nesse trecho ainda está bastante favorável, com sensação de plano e descida. Pode se permitir ir um pouco além do que pode, mas entenda que exagero aqui compromete o último km, onde voltamos a sentir a subidinha. O ideal aqui é se permitir um breve Sprint e logo depois se acalmar, segurando fôlego.


( Detalhe, essa via não está em obras hoje não...)


Km 04-05 //Av. T-7//Av. T - 1: Embora aqui nesse trecho podemos sentir dificuldade depois de uma corrida extremamente facilitada, a regra aqui é uma só, ganho de velocidade permanente, senta foguete na alma, na perna, na cabeça, arranca couro, mas faça uma chegada triunfal, com sorriso estampado e alegria por concluir mais uma corrida.

 


Considerações: Excelente percurso para pensar em quebras de recordes pessoais. Excelente ainda para quem estreia no universo de corridas de rua de Goiânia, pois é um percurso tranquilo, com grau de dificuldade baixo. Se o tempo estiver propício, tudo será favorável. Se chover, a quebra de RP pode ficar comprometida, mas ainda assim dá para pensar em ir rápido. Eu sou da turma que corre feliz, sem muito preocupar com tempo. Mas se for para preocupar com tempo, essa corrida é uma ótima escolha.

Vamos então observar o percurso de 10km:

A diferença desse percurso está entre o km 2 até o km 7,5 que é para essa turma dos 10km. Os dois primeiros km e os últimos 2 são os mesmos da turma dos 5k.

Km 02-03 //Av. T9: Enquanto a turma dos 5km já virou, seguimos T-9 abaixo, pegando um ótimo trecho com sensação de descida, plano. Ideia aqui é entrar na corrida mesmo, depois dos dois primeiros km conservadores. Procure estar na linha do seu ritmo, se permitindo um pouco mais, mas com cautela.

 


Km 03-04 //Av. T9//Rua Flemington: Continuamos plano, com trecho favorável. Saimos da T-9 e entramos nessa rua. Aqui podemos nos permitir nosso primeiro aumento de velocidade mas nada muito além de seu ritmo de prova. Dose isso. Ainda teremos outros momentos de prova que nos permitem isso.



Km 04-05 //Rua Flemington//Rua C-50//Av. C-7: Embora a maré esteja para peixe nesse momento, usemos esse trecho como estabilização de sua corrida. Como já estamos vindo numa crescente favorável de ganho de ritmo, sempre recomendo no meio de prova, usar o momento para estabilização de ritmo. 
 


Km 05-06 //Av. C-7//C-12//C-4//C-1:  Segundo momento de prova onde podemos nos permitir um novo ganho de ritmo, após conservação no km anterior.
 


Km 06-07 //Av. C-1//Rua C-124: Trecho basicamente plano, mas o ideal aqui é segurar o ritmo, após uma pequena puxada no km anterior. Ainda restam 3km de prova, então o ideal é maneirar...
 


Km 07-08 //Rua C-124//Av. C-205: Pede-se cautela no km anterior, porque aqui há uma sensação de aclive. Nada exagerado, mas é nesses momentos que percebemos o porque de saber dosar esses sprints que fazemos ao longo da corrida.
 


Depois desse ponto, pegamos o restante da C-205 e entramos na rota final que é a mesma da turma dos 5k. Observem o que mencionei ali. Vale a mesma ideia para a turma dos 10k. Basicamente isso: Conserva, depois chuta vento!

Considerações: Da mesma forma que os 5km, excelente prova para pensar em RP. A única observação fica por conta de dosar os Sprints, pois a prova toda pode ser que peça esse ganho de velocidade. Use isso em seu favor, para desequilibrar no momento certo. Quando maior a distância que corremos, mais inteligência o corredor deve usar parar terminar bem e tranquilo. Qualquer exagero te custa uma corrida inteira. Senta fogo na canela!!!

E, para fechar, foto do belo kit do evento :)


Pessoal, Muitissimo Obrigado por lerem meus posts, espero que realmente ajudem vocês. A maior satisfação é poder correr e perceber a alegria em cada um de vocês, coisas que só a corrida nos faz. Estamos chegando no fim do ano, e para mim especialmente, 2016 foi disparado um ano inesquecível, desde que comecei a compartilhar com vocês meus posts. Fiquem a vontade para sugestões e colocações. Quero melhorar sempre!! Grande Abraço!! Bora comer asfalto e ser feliz!!

Professor Ricardo Carneiro
ricardo.aesp@gmail.com

!!!!SEMPRE!!!!!



















quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Meia Maratona Internacional de Goiás - Caldas Novas - Dicas e Percursos :) :)


Oi!!! Satisfação imensa em estar publicando sobre essa corrida especial! Antes, como estão vocês? Coração em paz? Em dia com os km? Em dia com a alegria de correr? Vamos então conversar um pouco! Espero tentar contribuir de alguma forma sobre essa corrida. Eu não conheço todas as ruas ali com precisão de detalhes. Para tanto, recorri ao nosso amigo corredor Glaucio Lobo, entusiasta de corrida de rua e morador de Caldas Novas, para poder dar sua valiosa contribuição a esse post. A ele, meus sinceros agradecimentos. Sua ajuda é de valia enorme!!

Correr em Caldas promete ser uma sensação única, memorável e emocionante. Eu cresci indo para essa cidade muitas e muitas vezes. Caldas Novas para mim é o coração desse Estado, com tantas coisas boas ali! Turismo fantástico, povo acolhedor e agora, numa união de esforços nos presenteia com um evento que promete grandiosidade e beleza! Falando em grandiosidade, vejam só a perspectiva em 3D do palco do evento:


Estamos nos aproximando do final do ano e essa corrida não poderia jamais de fazer parte da minha saga pessoal em 2016. Há quem me ache louco em correr uma Meia Maratona novamente, com menos de 15 dias da última que participei em Brasília. Cara, coração de corredor é desprovido de sanidade mental! Quanto mais corremos, mais queremos. Preocupo com lesões, com uma série de mazelas? Sim... Mas eu quero correr!! Assumo diariamente os riscos, para sentir sempre a sensação perfeita que é quando terminamos uma corrida. Outro dia, uma companheira de corrida me disse que sentia algo parecendo uma pluma, leveza. É disso que estamos falando :)

Bom, vamos parar conversar sobre a corrida. Segundo nosso amigo Glaucio informou em Caldas o tempo meteorológico tem variado em dias de chuva, nublados e calor moderado. Pela dificuldade dos 21km, vamos torcer para que se faça um dia nublado e se posso pedir para o regulador de torneiras lá de cima, uma garoa fina para refrescar.. Fiz uma consulta em dois sites para termos uma noção de como estará o tempo. Faço essa primeira colocação aqui, considerando consulta em 20/11. Na Quinta Feira, dia 24/11 atualizo esse post, com informações mais precisas sobre a meteorologia.

Previsão de acordo com o CPTEC/INPE:

Previsão de acordo com o Climatempo:


Como podem observar, com uma semana de antecedência, ainda não há uma ideia muito fiel de como será. Na Quinta dia 24 se permanecer do mesmo jeito, mantenho. Se houver mudanças, altero.

Alguns informes importantes, extraídos do site da organização do evento:



Vamos então começar a olhar os percursos, por ordem. Primeiro, o de 5km


Me impressionou esse percurso oferecido pela organização, facilitando e muito nossa leitura do percurso. Com detalhes técnicos bem traçados, identificando os pontos de subida. Fazendo minha visualização pelo Plota Route e tentando me recordar das ruas, atrelado com as informações do Glaucio, podemos considerar esse percurso de 5km como um percurso tranquilo, apesar das subidas. Não é uma prova extenuante, de forma que podemos pensar em um bom tempo de corrida. Uma coisa que achei positiva é o fato de ela ser um percurso de ida e volta praticamente igual, a partir do ponto de retorno da Av. Orcalino Lopes de Moraes. Isso facilita o planejamento e o corredor após o 2km já sabe o que vai enfrentar no restante da corrida.

Vamos então destrinchar km por km.

KM 00 - 01: Rodovia ( Av. Santo Amaro) - Av. Nivaldo Rodrigues da Cunha: Aqui, começamos em subida, com aclive leve, mas persistente, cedendo quando viramos a direita em direção a Av. Nivaldo Cunha. Em provas de 5k, para os que já se aquecem bem, tentem entrar com calma. A partir da curva, comecem a entrar na prova.


 
 Nesse ponto, curva a direita para a Av. Nivaldro Rodrigues da Cunha


KM 01 - 02: Av. Nivaldo Rodrigues da Cunha - Av. Orcalino Lopes de Moraes: Aqui, sensação de conforto, com trecho plano, tranquilo. Nesse momento entre na prova, já se preparando para fazer ritmo bacana a partir do próximo km.


 


KM 02 - 03: Av. Orcalino Lopes de Moraes - Av. Nivaldo Rodrigues da Cunha: Trecho sem grandes surpresas. Nesse momento estamos fazendo a volta, portanto já sabemos o que esperar nesse km.

 


KM 03 - 04: Rodovia: Nesse trecho, prudência. Há uma subida chata, não muito elevada, mas persistente. Estamos indo em direção aquelas pedras do DiRoma e fazemos o retorno. Lembro que quando corri nesse local, perdurava uma sensação de cansaço maior, pelo trecho em aclive persistente. Tente manter o ritmo.

 



KM 04 - 05: Rodovia: A regra aqui é uma só! Senta o foguete. Haverá um ótimo trecho de declive, indo em direção a chegada. Nesse momento, capriche!!



Considerações: Percurso com boas variações de subidas/descidas/plano. Não penso que seja um percurso ideal para quebra de recordes. Atenção especial no km 3-4, momento de subida. Momentos de Sprint e ritmo melhor somente no km1-2 e no km final. Por isso fiquem atentos no percurso. Se você teve momento de descida, na volta no mesmo ponto haverá subida, lógico.

Vamos agora observar o percurso de 10km:


Como podemos observar, o km 00-01 e do km 06-10 é o mesmo da turma dos 5km. Percurso bom, com apenas duas subidas com maior grau de dificuldade. Dá para pensar em uma prova rápida aqui, com coerência e saber usar a energia de forma inteligente.

KM 01-02: Avenida Nivaldo Rodrigues da Cunha: Corredores de 10km que estão estreando nessa distância, entendam que pode haver uma armadilha aqui. Trecho tranquilo, mas segura a onda. Ainda tem outros 8km de prova.

 


KM 02 - 04: Avenida Elias Bufaiçal: Trecho de ida e volta nessa mesma avenida, por dois quilômetros. Normalmente nesse ponto da prova, estamos mais aquecidos e a vontade na corrida. Aproveite para ganhar ritmo, entrar na prova de vez. Mas cuidado. Embora seja um trecho gostoso de fazer, não exagere. 
 
 

KM 04 - 05: Av. Elias Bufaiçal - Av. Nivaldo Cunha: Retornamos para a Av. Nivaldo cunha. Nessa altura de prova o ideal é manutenção de ritmo, pois há oscilação de trecho aqui. A dica fica para segurar bem tranquilo, afim de entrarmos na metade final com faca nos dentes.
 
 


KM 05 - 06: Av. Nivaldo Cunha - Av. Orcalino Lopes: Cuidado com a subidinha aqui. Administre bem, pois teremos ainda mais um pedacinho de aclive nos km finais.



Considerações: Do km6 em diante, observem o que coloquei mais cedo. A ideia é saber usar os momentos de velocidade e dosar na subida. Como já estamos na metade final da prova, pode se permitir ganhos de velocidade quando for propício e dosar na subida. Os corredores mais experientes, treinados, costumam manter a mesma média de pace km por km, mas para o público geral, podemos pensar na prova em cada km, estudando a melhor forma de concluir.

Vamos agora observar o percurso de 21km:


Observando o percurso, entendemos que o primeiro km é o mesmo dos outros percursos e o km15 em diante, é o mesmo da turma dos 10km. Vou propor uma visualização diferente aqui, de forma que possamos entender o percurso e identificar onde estão essas subidas. No fim da apresentação das fotos, vou deixar minha opinião pessoal e dicas de como realizar esses 21km.

Aqui estamos aprox. no km3, na Rua do Balneário. Uma característica não só aqui, é que vários trechos dessa corrida são longos, em direção única podendo fazer com que nós tenhamos algum exageros na descida ou na subida. Observe que mais a frente há uma inclinação.

Aqui, já perto do km4, faremos algumas curvas, saindo da Rua do Balneário e entrando em pequenas ruas, mas logo depois volta a idéia de retão. Cuidado com curvas e mudanças bruscas de direção. Nessa prova há muitas curvas, algumas mais fechadas, exigindo cuidado ao fazer esses deslocamentos.

Nesse ponto, terminando de fazer as curvas nas pequenas ruas e preparando para irmos para a Av. Brasília. Como podem observar,  a idéia aqui é de trecho plano, se houver inclinação ou outra, pode haver, mas de forma discreta.


As próximas 5 fotos, estão entre o 5° e 7°km, voltando a entrar em avenidas largas. Observem na questão das curvas, onde teremos um momento ali em que há quase um 360° de giro. Comparem no mapa do percurso oficial e vejam aquela ponta ali na Av. Brasília. Ali haverá esse contorno.






 Nas próximas 3 fotos, novamente um trecho reto, já nos preparando para entrarmos na Avenida E, que segundo soube é uma ideia de Ricardo Paranhos de Caldas Novas, sendo reduto de corredores. Nesse momento até a volta nesse ponto específico da Avenida Tiradentes, tentem administrar conforme vocês percebam a pista. Se houve inclinação, na volta, será descida. Nesse ponto, na altura do km7,5 o percurso é bate volta. Entra em uma Avenida, volta nela mesma e assim por diante. Lembrando que aqui, logo depois de passar pelo córrego, na altura do 7,5km há o maior trecho de inclinação da prova, que vai até o 9°km. Cuidado aqui. O restante da prova, nada de surpresas desagradáveis.



Nessas próximas fotos, estamos entrando na Avenida E, que mencionei que lembra a Ricardo Paranhos, com pista própria para a prática de corrida. Trecho basicamente plano, com leve inclinação. E lembre, é bate, volta.



 Sai da Avenida E e entra na Avenida C, que também tem inclinação, embora leve. Mesma coisa de ir e voltar na mesma Avenida.

 Aqui, já na na Altura do Km 12, é o ponto de retorno final, com todas as ruas adiantes já vistas por nós no decorrer da corrida. Entramos brevemente nessa Av.B, mas depois seguindo em direção a Av. Tiradentes.

 Nesse ponto, pequenas curvas em ruas curtas, para que possamos enfim entrar na parte final de prova, rumo a Av. do Balneário e Av. Elias Bufaiçal, onde iremos fazer os últimos 6km como o da turma dos 10k.

Considerações e Dicas: O que me agrada nesse percurso é a perspectiva de um planejamento eficiente no decorrer da corrida. Como é um percurso quase dividido em duas metades, com ida e volta bem semelhante, o corredor fica atento nos pontos de subida, como na Av. do Balneário e entende que haverá momento propício na volta. Minha recomendação é fazer os primeiros 12km com certa cautela, entendendo a corrida primeiro, para depois tentar desenvolver seu ritmo como permitir. O que mais gostei aqui foi isso. O percurso tem muitas variações de ruas, paisagens, tornando ela muito mais atrativa e desafiadora. Percurso retos em demasia podem cansar. Este não. Tem muitas variações de locais, ruas, subidas, descidas, plano. Não vejo aqui um cenário para quebra de recordes pessoais. E sim, como uma corrida desafiadora, em que terminar os 21k aqui deve ser uma delícia. Hidratem bem, se alimente bem, sobretudo se fizer sol nesse dia. Assim como Goiânia, Caldas é quente em dia de sol, sobretudo se considerarmos o horário da largadas, as 08h30 da manhã. Vamos torcer por chuva. Sobretudo, se aqueçam bem pessoal. Como há variação de inclinação e curvas, atenção especial para o quadril, costas e joelhos, durante seu aquecimento. Espero que meu próximo post seja de uma alegria sem tamanho por ter concluído esses 21km.

Meus sinceros agradecimentos ao Glaucio Lobo, residente em Caldas Novas que muito me ajudou na elaboração desse post. Quando você conversa com um corredor, que mora e conhece bem a cidade, é outra coisa. Ajuda a entender o percurso nessa perspectiva. A maior parte dessas ruas já corri, e particularmente, acho uma delicia correr em Caldas. Mesmo assim, ninguém melhor que o Glaucio para me ajudar a elucidar esse percurso.


Um grande Abraço a todos!!! Simbora correr povo!!! Espero que tenham gostado desse post. E, como sempre, a foto ilustrativa do kit que usaremos! Tudo de muito bom gosto! Que o público agradeça a cidade de Caldas Novas por nos receber bem e promover um evento desta grandiosidade.



Prof.: Ricardo Carneiro
e-mail.: ricardo.aesp@gmail.com

SEMPRE!